O casamento Islâmico é um contrato civil baseado em consentimento mútuo do noivo e da noiva,diferentemente da forma sacramental do casamento. A maior parte dos incidentes do contrato são conseqüentemente aplicáveis a tal tipo de casamento; por exemplo, a consideração do casamento na forma de dote, a quebra do contrato pelo divórcio, o dar direitos legais e obrigações nas partes contratuais, e concedendo não mais poder ao marido do que o contrato lhe dá, de uma maneira lícita. O casamento islâmico não requer nem padre nem direito sacramental. Requer apenas o registro do consentimento mútuo. A mulher tem absoluto direito sobre as suas propriedades, adquiridas antes e depois do casamento. Além disso, possui uma distinta penhora sobre as propriedades do marido para o seu dote pré-nupcial.

\r\n

\r\n

Regras do casamento:

\r\n

Há quatro condições para que a mulher seja lícita para o homem

\r\n
    \r\n
  1. \r\n

    A permissão do guardião é necessária em caso de casamento de menor (homem ou mulher) sem a qual o casamento é invalido. O soberano ou o seu representante é o guardião onde não há guardião.

    \r\n
  2. \r\n
  3. \r\n

    O consentimento da moça é necessário para seu casamento, quer seja ela solteira ou viúva.

    \r\n
  4. \r\n
  5. \r\n

    A necessidade de duas testemunhas maiores. Elas devem informar a audiência quanto ao consentimento da moça.

    \r\n
  6. \r\n
  7. \r\n

    A proposta e as aceitações da noiva e do noivo são necessárias.

    \r\n
  8. \r\n
\r\n

  

\r\n

O Divórcio no Islam

\r\n

Todos os povos, com exceção dos hindús, adotaram a instituição do divórcio nas relações maritais, porque é o corolário do contrato de casamento. A lei hebraica, a lei ateniense, a lei romana, adotaram essa doutrina de várias formas. Mas em todas essas formas, o marido era a autoridade predominante, sem nenhuma contestação ao seu poder. Os cristãos e os judeus também reconhecem essa intuição. O Islam reformou todas essas formas de divórcio e deu-lhes uma forma completa e satisfatória. Deu á mulher certos direitos de divórcio que nenhuma outra legislação lhe havia dado. Ao mesmo tempo, colocou o divórcio em cheque, ao dizer: "De todas as coisas lícitas, a mais abominável para Allah é o divórcio." O divórcio é uma necessidade em circunstâncias anormais. A instituição do divorcio no Islam é uma maneira de se dissolver o contrato de casamento em circunstâncias anormais. Essa dissolução é possível somente em uma forma contratual de casamento, mas não em sua forma sacramental, como no hinduísmo. De acordo com este, o casamento é uma união sagrada de duas almas para a vida, quer haja um acordo ou desacordo entre o casal, ou se o marido oprime a esposa ou não. O divórcio torna-se uma necessidade quando o marido e a esposa não se estão dando bem por um longo período. É uma absoluta loucura conservá-los juntos em laço matrimonial quando é desagradável para ambos. É melhor aumentarem as suas alegrias. Por isso, é lei natural que casais insatisfeitos devem ser separados dos laços matrimoniais para o bem-estar do lar, das crianças e da sociedade. Com a instituição do divórcio, o Islam fez mais bem para a mulher, uma vez que o homem pode ter outras esposas, no caso de desentendimento com a primeira esposa, mas a mulher não pode. Se o homem é impotente, ou se a esposa ou o marido recorre ao adultério, é insensatez conservá-los unidos, especialmente quando todos os esforços para conciliá-los são em vão. Se o marido ou a esposa ficarem enfermos para sempre ou houver insatisfação nas relações sexuais, a justiça exige um divórcio entre ambos.

\r\n

 

\r\n

 

\r\n

Rede Social Moda

\r\n\r\n

 

\r\n